Translate

2.6.17

Estamos a caminho de Leiria
Foi o ensaio com a Orquestra para o concerto de amanhã e não tenho palavras para vos dizer o que sinto... vou tentar.
Pedi ao Hélder para gravar com o telemóvel o ensaio, assim rafeiro só para ter uma ideia da coisa e me ir inspirando.
Neste momento, a ouvir o "Fado para esta noite ", tal como quando estava lá a cantar as lágrimas cobrem-me os olhos como se fossem umas cortinas de flores, sou tão feliz mas tão feliz a cantar e a ouvir a música
Fico tão fora de mim e comigo ao mesmo tempo que a minha vida pára e sustenho em mim os sonhos e a vida das pessoas, as histórias que me são próximas passam a ser minhas a minha vida passa muito rápido pelos meus pensamentos... abro os olhos para ver eles tocarem os instrumentos e fico tão orgulhosa deles tão feliz por eles, queria que o mundo todo ouvisse o que eles fazem
Confesso que por vezes é difícil, muito difícil acordar e conseguir ter forças para andar com isto tudo para a frente. chega a ser frustrante!
depois há estes momentos de onde não quero sair, nunca!
A música é sem duvida alguma o grande Amor da minha vida e o respeito que lhe tenho não tem medida, a ela e ao público.
Eu sei que não parece mas sou muito tímida e subir ao palco é maravilhoso mas é assustador.
A única coisa que quero quando lhe subo é perder a noção do tempo, entrar naquele transe que é viciante,  é estar a sonhar e saltar por cima de campos felizes
É sentir o peito aberto, é sentir que posso abraçar cada pessoa que está na minha frente sem lhe tocar, sentir que posso ser o ombro de cada um, sentir que sou a pessoa que melhor entende os desabafos de cada um.
É sentir que danço com cada um que ali está, é olhar para os músicos e ter tempo de fazer com que as pessoas os ouçam.
A beleza da orquestra é impar, se com os meus três meninos eu já fico embriagada a ouvir e olhar para eles a ver dedilhar os instrumentos com uma orquestra nem sei para onde olhar
A delicadeza dos instrumentos, a delicadeza e subtileza do detalhe que cada um dá ao todo são de cortar a respiração
Apetece-me gritar e fazer o mundo parar para os ouvir
-venham! Venham ouvi-los! É lindo de mais para ser só para alguns! É lindo de mais! É muito valioso!
Gostava tanto que toda a gente tivesse oportunidade, hábito de ver coisas destas, de lhes mostrar estas coisas que eu vou vivendo!
Acredito que lhes podia curar a vida
Adorava que as senhoras da feira de Barcelos vissem e ouvissem isto! Que felizes as faria! Que feliz me fariam!
O Filipe Melo fez os arranjos, brilhantes. Delicados. Singelos.
Gostava de viver dentro das musicas, ser a Alice perdida no labirinto das melodias.
há uma parte no arranjo da " llorona " que parece mesmo que vou a correr no meio dela com um sorriso tão grande que vocês nem tão bem a ver a cena!
Quando acabam as musicas não quero que acabem, apetece-me beijar todos os músicos, ficar ali a chorar, de alegria e limpeza, eu gosto de chorar, gosto de me libertar, se eu pudesse mudar o mundo
É pesado isto
Mas não vivo sem isto
Ninguém me compreende se eu não cantar, nem eu me compreendo se não cantar
As respirações, os silêncios, cada nota que eles dão me explica quem sou, de onde venho, onde quero ir, sem este norte que  a música me dá à vida não sei quem seria, não saberia encontrar-me, aceitar-me
Se eu me conseguisse fazer entender
Como eu queria que me entendessem
* as fotos da Estelle




2 comentários:

  1. Andreia Mafra2/6/17

    O fado para esta noite é o meu favorito, sinto que esta noite coisas boas vão acontecer :)
    Até jáaa!

    ResponderEliminar
  2. Eu sei muito bem o que é isso que sentes. Ou sei sentir à minha maneira porque, afinal de contas, somos todos diferentes e somos todos tão iguais: todos amamos, todos gostamos de comer boa comida, todos nos emocionamos quando vemos um pôr-do-sol maravilhoso.

    É um pouco difícil descrever às pessoas o que é isso de viver dentro das palavras, ou dentro do sentimento que existe dentro das palavras. Muita gente pensa que somos um dicionário andante e que só pensamos em palavras. É muito mais do que isso: é transformar a vida numa canção, ou num poema, ou numa sinfonia. É fazer com que os outros percebam isso. É fazer as nossas escolhas de vida baseados nisso. E mudarmos a nossa vida completamente porque sabemos que somos isso: somos um poema, somos uma canção, somos o que nós quisermos.

    É difícil ser assim porque não somos assim muito normais para a maioria das pessoas, até para as pessoas que fazem o mesmo que nós: umas porque gostam de escrever e de pintar e de cantar, mas não se entregam suficientemente; outras porque acham que isso é muito intelectual e baseiam o que fazem em teorias e no que os outros disseram. Eu acho que a teoria é importante, mas a vivência suplanta toda e qualquer teoria e enerva-me muito que se fale tão pouco disso, que as pessoas não se apercebam que viver o que se faz é tão, mas tão importante. Não é apenas cantar ou escrever, é ser naquele preciso momento a música e as palavras. E entregar-se a isso, mesmo que o corpo fique exausto fisíca, emocional ou espiritualmente. Todos os verdadeiros artistas sabem disso.

    Muitos beijinhos e que o concerto te faça voar dentro das palavras. Cada vez mais.

    ResponderEliminar