Translate

8.9.17

O meu bú João

O meu avô e a minha avó sempre foram a referencia da relação que eu queria ter, o meu avô a eterna criança que cansava todos de tanta piada que fazia 
" és pior c'a canalha Joãozinho " ouvi a minha avó dizer uma vida inteira.
Calado, observador... a minha avó, às vezes não lhe dava espaço para ele ser e ele queria que ela tivesse o espaço todo.
a minha avó é muito intensa por natureza, deixava-lhe a cabeça cansada, Ele, acalmava-a. 
Cuidadosa ela " não vistas isso Joãozinho, espera que vou escolher outras calças! Ahh, assim é que estás bonito! Então filha que pensas? Não quero que ele vá para a rua assim! " e eu ria de ternura.
O meu avô via a minha avó aparecer pronta para sair e dizia que ela estava linda " olha p'ra ela, tá linda " ela dizia sempre que ele era maluco e que estava desarranjado e lá ia arranjar, ele acatava sempre enquanto ria e piscava o olho.
O meu avô não tinha paciência para a canalha, era muito barulho para ele mas sempre teve a casa cheia " onde comem dois, comem dez! " e tratava connosco de igual para igual, porque ele era uma criança que nunca deixou de ser! 
" oh filha carailho a gente tem de rir, num é?! " 
O meu avô era muito vaidoso, motivos para isso, sempre foi uma homem bonito e elegante, o charme era natural nele, até hoje quando o vi ali deitado. 
Quando chegava o Natal queria sempre perfumes, e gostava sempre de usar um chapéu. 
Levava-nos para a varanda e ficava horas a falar dos passarinhos que em tempo fazia criação por carolice e escolhia a alface a dedo para dar aos bichinhos e a mim sempre me deixou, às escondidas da bó, comer uma colher de comida de pássaro que era amarela e docinha. Chegou a ter galinhas e dava aulas a quem eu levava lá a casa de como se viu lixado para que elas dessem " 12 ovinhos p'ra tua avó fazer o pão de ló " 
Gostava do Sporting " filha, o berde é lindo, é uma cor fina " dizia sempre em gozo em tom de brincadeira, exagerando, exacerbando tudo, sendo sempre ele, menino, criança.
Fui crescendo e a vida levou-me para longe e a vida foi-se enfiando pelo meio e via-o menos vezes do que aquelas em que ele estava no meu coração e no meu sorriso sem as pessoas saberem do que estava a rir. Ouvia-o por telefone, dizia sempre as mesmas coisas, uns palavrões para me fazer rir, o que é que a bó tinha feito para comer, gabando-lhe sempre as culinárias, para ter cuidado e tomar conta de mim, pelo meio ia sempre dizendo para o lado ( para a minha avó que estava sempre a falar alto ao mesmo tempo que ele pois respondia às coisas que ele me dizia ao telefone " fala, fala... pera tem calma Miquinhas, já falas! " e no fim dizia sempre " TU ÉS MINHA NETA! A MINHA NETA MAIS VELHA " e dizia " fala aqui com a velhota que ela tá com saudades " com aquela ternura de quem faz tudo por ela, ele também tinha saudades mas falava sempre menos para deixar falar ela. 
Quando vinha a Barcelos era sempre lá que queria ir, estar com eles, almoçar com eles, a minha avó na cozinha e ele sentado na sua poltrona a ver debates, ela não o deixava fazer, ela queria fazer as coisas para ele! 
a bó aparecia de quando em vez, ouvia duas frases e mandava duas postas ao lado e ele lá dizia " oh Maria é isso mesmo, liga p'ra lá p'ra televisão e diz-lhes isso " e eu.... ria! 
Ficavam sempre na varanda a ver-me partir e eu ficava a olhar para eles sem querer partir. Ele alto, esguio, elegante, ela baixinha, rapioqueira, bonita, os dois sempre com os olhos em água como quem diz " lá vai ela, a nossa menina "
O meu avô nunca foi ver um concerto meu. 
Achava que ia passar mal e não queria que o vissem a chorar, muito menos eu!
A minha bó sempre me contou que quando me via na televisão, ele, ia para a varanda mal eu aparecia, chorar sozinho. 
O meu bú João não fazia nada sem saber da Miquinhas, era assim como quando tiras só uma migalha porque queres deixar tudo para a outra pessoa.
Lembro o dia em que alguém me disse " sabes que dantes eras a neta do João Remelhe mas agora és a Gisela João " e vou sempre lembrar da resposta que dei
" mas sabe que eu vou ser sempre primeiro a neta do João Remelhe e depois a gisela joao " 
Serei sempre 
Tal como ele dizia 
" TU ÉS MINHA NETA! " com a maior convicção e dando o sentido ao termo, afirmação. 
Amo o meu bú João, tinha defeitos, tinha como todos nós, mas para mim , sempre foi perfeito. 
Amo-o sempre e para sempre porque tenho-o gravado em mim da forma mais bonita.
Mostrou-me, sem saber,  o que é amar e ser amado da forma mais simples e linda.
Ensinou-me, sem me ensinar, que rir vale sempre a pena mesmo que já não queiram ouvir piadas. Ensinou-me, sem saber, o sentido de humor, ensinou-me os múltiplos sentidos das palavras, sem saber que me estava a ensinar. 
O meu avô ensinou-me a elegância. 
O meu bú João nunca me quis ensinar nada, deixou-me ser.
O meu bú era o João Remelhe. 
Hoje viu-o ali deitado e parecia que ele me ia começar a piscar o olho, como aquele puto que está a fazer de conta que está a dormir, e que entretanto ia começar, com a voz grave e espessa, a gozar com tudo e todos e a dizer " olha pó teu avô! Tá bonito hã?! Elegância!! " 
Lá para o Natal vai doer mais...
o perfume vou comprá-lo sempre, vou amar como ele amou e deixar-me ser amada como ele deixou
Obrigada bú
Sim! Sou a tua neta mais velha! A neta mais velha do João Remelhe
♥️


10 comentários:

  1. Fabiana8/9/17

    Vê se que vens de uma familia linda, generosa e humilde��
    Tu és a pessoa mais generosa, simpatica e linda que conheci����
    Adoro-te muito����
    Desejo te a maior felicidade do mundo para ti e para a tua familia��

    ResponderEliminar
  2. Rita Albuquerque8/9/17

    Lamento muito, querida Gisela!
    Beijinho grande e abraço apertado.

    ResponderEliminar
  3. Lorina Vieira8/9/17

    Lindo... Os avós têm sempre um lugar quentinho no nosso coração <3
    Grande beijinho

    ResponderEliminar
  4. Sinto muito Gisela! Concerteza o seu bú João tinha muito orgulho em si. Que história bonita. Um beijinho grande para lhe confortar o coração ❤

    ResponderEliminar
  5. Minha querida,

    Tens uma família linda! Que homenagem bonita e sentida! Abraço-te muito!

    ResponderEliminar
  6. Tão lindo este texto. De repente as lágrimas a correr, como se conhecesse e se misturassem as minhas memórias nestas. Tão bem escrito. Beijos

    ResponderEliminar
  7. Querida Gisela
    E existem aquelas...PESSOAS que por mais distante que estejam, continuarão sempre perto.
    AQUELAS... que passe o tempo que passar...serão sempre lembradas por algo que fizeram, falaram, mostraram, pelo amor que espalharam e pelo que nos fizeram sentir.
    É isso... as pessoas são lembradas pelos sentimentos que despertaram em nós.
    E quanto maior os sentimentos, maior se tornam as "PESSOAS" XI CORAÇÃO 💝

    ResponderEliminar
  8. Neta do João Remelhe um abracinho muito apertado e um grande beijinho.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo4/11/17

    Hoje emocionei-me no Concerto em Estarreja. Eu que até lá trabalho na Comunicação das Artes de Palco, emocionei-me. A Gisela João é de facto fantástica, bonita duplamente, por dentro e por fora, uma minhota, de Barcelos, que gosta de rir muito, politica e socialmente pouco correcta, para os pseudo 'conservadores', canta fado com letras de Capicua e manda recados enquanto se ri, daqueles que dão coceira nas confortáveis cadeiras.Foi operada há não muito tempo, e perdeu o avô João há menos de 2 meses, precisou da cadeira, aguentou os sapatos mas mesmo sentada e com ar pouco fatalista é enorme e é Fadista. Grande noite, a alegria é mesmo do mais importante da vida. Era mesmo bom que assimilassem muito do que é dito através das artes de palco. Eu tb sou a neta mais velha de uma 'Bó' Cândida...Bj B'noite

    ResponderEliminar
  10. Feliz aniversário.Que seja um dia muiiiiiito feliz . Beijinho.

    ResponderEliminar